As três vezes em que eu vi “Seu Jorge”

Em um curto espaço de menos de um mês eu vi o cantor “Seu Jorge” três vezes.

A primeira foi no Parque da Água Branca aqui em São Paulo. Seu Jorge estava com a sua família e eu com a minha. Enquanto eu fotografava o nosso filho brincando com alguns pombos, seu Jorge estourava biribinhas para a sua filha. Ele parecia relaxado, moleque, absorto naquelas pequenas traquinagens diante da filha.

A segunda vez que eu vi Seu Jorge foi na Band, enquanto ele dirigia-se para os estúdios das rádios. Ele carregava apenas o seu violão e parecia, pela maneira vacilante como andava e pelos olhos enormes e curiosos, intimidado e deslocado até a raiz da alma, acompanhado de alguém que parecia guiá-lo em direção aos estúdios.

A terceira vez que vi Seu Jorge não foi pessoalmente, mas na TV, em uma entrevista para o Jô Soares. Depois de uma leve e bem humorada acomodação, Seu Jorge começou a discursar sobre o fato de hoje lidar bem com o seu “complexo de inferioridade”. Naquele momento, inconscientemente, eu mudei de canal em busca de algum noticiário de fim de noite.

O que eu desejava inconscientemente, hoje eu percebo, é preservar as duas primeiras impressões que ficaram de Seu Jorge na minha retina, principalmente a segunda. Foi nela que eu intui que Seu Jorge é dos poucos cantores hoje no Brasil que podem verdadeiramente ser chamado de artista no sentido óbvio do sujeito que produz ARTE genuina e que não tem a mínima intimidade com o Show Business, o meio pelo qual a arte deveria ser “promovida.”

Seu Jorge, antes de ser artista, já foi borracheiro, faxineiro, vendedor e pedreiro. Mas é quando ele canta e ouve-se o timbre de sua voz que percebe-se que aquele sujeito não nasceu para nada que não fosse exatamente aquilo, cantar.

Obviamente você já deve ter ouvido, ou lido, alguém discursar sobre o sentido etimológico da palavra “vocação”, que em um sentido grosseiro quer dizer “chamamento”. Seu Jorge é a exata medida que há no sentido profundo da palavra vocação. Nada, nem ninguém, jamais poderiam desviá-lo dessa rota e do caminho de se tornar o grande artista que ele é hoje.

2 comentários sobre “As três vezes em que eu vi “Seu Jorge”

  1. Becken,

    não tiro nem ponho. Cômodo, né?
    Brincadeira… Seu Jorge é um grande artistas, e como poucos que conhecemos, também como ele, deve ser tratado como um achado, uma jóia rara.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s